Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

It's my diary

" Sorrir é viver, parar é morrer "

It's my diary

" Sorrir é viver, parar é morrer "

Acabou

Passou um ano desde que tudo começou a fazer sentido na minha vida. Passou um ano desde que entraste na minha vida e fizeste-me perceber o valor que eu tinha. Passou um ano desde que eu percebi o verdadeiro significado de felicidade e do amor verdadeiro. Passou um ano e muita coisa mudou desde aí.

Tudo mudou, e tu sabes disso. Os meus sentimentos alteraram-se. O teu coração fechou-se para mim. Os nossos momentos desapareceram como uma bonita névoa. A magia foi-se para longe. O calor desta paixão tornou-se frio. O fogo ardente das nossas veias tornou-se num oceano de icebergs. Este amor já não tem solução.

Custa-me aceitar que tudo acabou desta maneira. Custa-me pensar em ti como algo que já passou. Custa-me virar a página. Custa-me porque no fundo ainda gosto bastante de ti, mas eu sei que já não há volta a dar. E também, eu  já não gosto de ti como no inicio.

No fundo sei que me irei lembrar de ti para o resto da minha vida. No fundo sei que cada sorriso que sair dos meus lábios irá ter um pouco de ti. No fundo sei que o meu olhar irá reflectir cada momento que vivi contigo. No fundo sei que jamais me irei esquecer de ti.

Marcaste-me. Marcaste-me num momento chamado sempre. Marcaste-me por seres quem és. Marcaste-me por me teres proporcionado todos aqueles momentos. Marcaste-me por me teres amado desse teu jeito especial. Marcaste-me por me teres dado o devido valor. Marcaste-me, apenas por me teres feito feliz, mais feliz que nunca.

Virei a página e rumei a um novo capítulo. Mas não esqueço. Não esqueço que fizeste parte de mim. Não esqueço que foi graças a ti que ganhei novas forças. Não esqueço o quanto fui feliz contigo. Não esqueço a magia que havia em nós. Não esqueço o fogo que incendiava o meu peito de alegria e paixão. Não esqueço o amor que trocávamos com simples olhares e simples sorrisos. Não esqueço nem simplesmente um único segundo daquilo que vivi ao teu lado.

“Está descansado que não te roubo a miúda”, alguém disse numa certa noite. Noite essa em que estive bem próxima de ti. Assim que ouvi tais palavras uma felicidade enorme invadiu o meu peito, e demorei a assimilar o que elas realmente queriam dizer. Acabei por entender, mas por medo neguei. Disse que era solteira, e vi o teu olhar a ficar entristecido. Desviei o olhar, e tentei mudar o tema de conversa. Passados alguns segundos já estávamos ambos a rir em conjunto. A tua gargalhada era uma melodia perfeita misturada com a minha.

Amo-te, e disso não podes duvidar. Sim, amo-te menos que no inicio, mas continuo a amar-te e sei que para sempre irei continuar a amar, porque nunca se esquece realmente quem nos foi tudo, e tu foste o meu tudo mais importante. Segui em frente, mas tu continuas no meu coração. Segui em frente, mas continuo a amar-te. Segui em frente, simplesmente porque era o melhor para nós os dois.

Lembra-te que no passado fomos felizes juntos. Lembra-te de cada gargalhada que demos juntos. Lembra-te de cada olhar que trocamos. Lembra-te da cumplicidade dos nossos sorrisos. Lembra-te da magia dos nossos gestos. Lembra-te das minhas palavras “jamais me irei esquecer”. Lembra-te que juramos que iria ser eterno.

És eterno, e sabes bem disso. És eterno porque irás permanecer. És eterno porque marcaste. És eterno porque te irei sempre amar.

 

Andreia Filipa Pereira

12 de Julho de 2011

 

PS: Desculpem a ausência :\
Prometo que irei visitar os vossos blogs sempre que poder ;)
Kiss <3

Abismo

 

As lágrimas começam a sair dos meus olhos contra a minha vontade. O sorriso esconde-se cada vez mais atrás dos meus finos lábios. As últimas forças que me restam estão a desaparecer do meu corpo, fazendo-me cair no chão duro e frio. Tento levantar-me, mas não consigo. Tento renegar a dor que se quer apoderar de mim. Tento esquecer-te. Tento seguir em frente. Mas todas as minhas tentativas são em vão. Por mais que tente, tu não me sais da mente e muito menos do coração.

O meu peito dói-me cada vez mais, e o único sentimento que está presente em mim, são as saudades que sinto de ti, e de todos os nossos momentos. Relembro-me do teu olhar, do teu sorriso, do teu cheiro e da tua voz e começo a perceber que neste momento nada faz sentido na minha vida. Sinto falta de ti, e essa falta está a dar comigo em doida.

Não consigo respirar, pois o choro que em mim permanece é cada vez mais intenso e incontrolável. A cabeça dói-me, mas não consigo deixar de pensar em ti. O teu toque não larga a minha pele, e eu sinto que estou a cair lentamente no abismo. Vejo-te por todos os lados em que olho. Será isto, uma prova de que estou a ficar maluca?!

Tenho tantas dúvidas, e apenas algumas certezas. Amo-te e sei que nesta vida jamais me irei esquecer de ti. Amo-te, e sei que este amor será para sempre. Amo-te, e sei que somente tu irás ser capaz de me tirar deste abismo em que me encontro. Amo-te, e disso não podes duvidar.

Eu irei pertencer-te para sempre. Aconteça o que acontecer, eu irei ser eternamente tua! És o único dono de mim e do meu coração. És o único capaz de arrancar um sorriso dos meus lábios. És o único que me faz rir sem motivo para tal.

Preciso de ti meu amor, porque sem ti nada na minha vida faz sentido. Preciso de ti porque te amo cada vez mais.

Andreia Filipa Pereira

30 de Junho de 2011

 

Prometo textos melhores em breve (:

Alterei o link do tumblr, por isso se quiseres seguir clica aqui :p
Beijinhos ^^

Dream

532cf83387f1f483fc822f547767e1e5.jpg

 

Eu, tu, eles (o teu melhor amigo e a minha confidente) e ela estávamos na pequena casa da minha tia mais a minha prima. Tu e ele estavam bastante bêbedos. Ele não parava de se atirar a ela, e tu não paravas de te atirar a mim, contudo rias-te. Afastei-te com todas as forças que tinha, pois pensava que estavas a gozar comigo.

Quando dei por mim não te encontrei, até que a minha tia abriu a porta da casa de banho. Petrifiquei quando vi que ela estava de joelhos e com a cabeça apoiada no meio das pernas dele. Ele estava no meio de vocês. Não consegui ver o que estavas a fazer, mas vi o que ela estava a fazer. A sua boca deslizava sobre o órgão dele. Comecei a entrar em choque. A dor começou a povoar o meu peito, e as lágrimas queriam escorrer pela minha face, contudo eu não as deixei. Respirei fundo e ignorei a dor que sentia.

Puxei-a (a minha confidente), para longe e perguntei-lhe se tu estavas envolvido naquele acto. Ela respondeu-me que não, e a dor que sentia aliviou por momentos. Contudo eu continuava magoada, pois sentia que tinha sido traída. Porém nós não tínhamos nada e tu tinhas o direito de te envolver com quem quisesses. Ouvi a minha tia a dar-vos um sermão, e tu apenas te rias. A dor começava a aumentar de segundo para segundo.

Fechei os olhos e quando os abri tu estavas ali à minha frente a sorrir-me como se nada se tivesse passado. Aproximaste-te de mim tocando-me na face. Notei que querias algo comigo, e isso fez com que eu explodisse.

- Porque te estás a atirar a mim quando já te atiraste a outras?! – inquiri-te com nojo. Sim, naquela altura sentia nojo de ti. Sentia nojo da merda de rapaz que eras.

- Eu só me atiro a ti meu amor. – retorquiste-me com o teu maior sorriso, contudo depois deste uma gargalhada, dando-me a parecer que estavas a gozar, porém eu sabia que estavas bêbedo.

- Amor?! Não me chames de amor quando andas metido com outras! – disse-te afastando-me cada vez mais de ti. Estava descontrolada, e os meus sentimentos por ti estavam a tornar-se em algo mais poderoso que amor.

- Sim, amor. Tu és o meu amor. – aproximaste-te de mim e fizeste-me uma festa na face – Eu não ando metido com outras. – sorriste, porém desta vez não te riste.

- Se sou o teu amor porque andas envolvido com ela?! – inquiri-te tentando controlar as lágrimas que teimavam em sair dos meus olhos. O meu corpo tremia por todos os lados, e o meu coração doía-me como nunca me tinha doído.

- Eu não ando envolvido com ninguém. A única pessoa que quero na minha vida és tu, meu amor! – disseste na maior das calmas enquanto a tua mão deslizava pela minha cara e pelo meu pescoço. Arrepiei-me.

Acordei sobressaltada e olhei para o lado. Nada vi para além de quatro paredes brancas. Suspirei.

Mais uma noite em que tinha sonhado contigo. Mais uma noite em que me disseste que me amavas. Mais uma noite em que me deixei envolver pela tua doce tentação. Mais uma noite em que apenas nós existimos no meu pequeno mundo. Mais uma noite em que voltaste a deixar-me confusa. Mais uma noite em que mexeste comigo.

Com isto tudo aprendi que não vale a pena negar o evidente. Eu amo-te, e ainda me preocupo com o que pensas e com o que sentes. Não consigo seguir em frente, pois tu acabas sempre por me assombrar.

Tenho medo. Medo de fracassar. Preciso de ti, é a única coisa que consigo dizer no meio da confusão que paira na minha cabeça.

 

Andreia Filipa Pereira

19 de Junho de 2011

 

Desculpem qualquer pormenor menos coiso, mas este texto teve como base um sonho que tive :$

Sim, eu sei, tenho uns sonhos um bocado estranhos :\

Btw...espero que gostem ^^